Andei pensando muito antes de escrever isso, mas vou deixar bem claro, esse pensamento é meu e eu respeito sua crença, sua religião, ou seja lá no que você acredite. Sempre que me perguntavam, afinal, no que você pensa que acontece com as pessoas quando elas morrem? E eu sempre buscava respostas filosóficas sobre tempo, espaço e universo pra responder essa questão, mas cheguei à conclusão de que a vida é apenas um teste pra verdadeira vida. Sempre achei vaga e superficial a ideia de purgatório e paraíso, afinal, o mundo já é um grande inferno desigual pra sermos considerados culpados por atitudes tomadas no meio de tanto caos. O mundo é uma quarentena que mede quantos socos aguentamos tomar e ficar de pé, quantas lágrimas derrubamos e escondemos pra transparecer a ideia de humano intocável, quantos amores perdemos, e quantos sentidos se vão com alguém que não quis ficar, em quantos pedaços ficamos e continuamos procurando os cacos cortantes de nós mesmos, torcendo pra que eles ainda se encaixem e preencham as nossas lacunas interiores que nos tornam cada vez mais humanos vazios, mas eles nunca preenchem, e muito menos se encaixam. O que acontece quando as pessoas morrem? Talvez elas vivam.

Sean Wilhelm.    (via rejeitei)

Mas enquanto você brincava de não saber o que queria, apareceu alguém aqui que mexeu comigo, alguém que me fez rir até minha barriga doer, que me procurou enquanto você me ignorava. Alguém que está me ganhando aos poucos, com cada gesto delicado e sincero. Sinto muito, mas você perdeu, idiota.

Cartas mortas.  (via encanteios)

Eu posso começar de novo? Com minha fé renovada, sem medo de correr e tropeçar, de fazer e errar, de voar e cair? Porque o meu melhor ultimamente não tem valido muito para quem eu mais queria que me percebesse. Eu não sei quantas e quantas vezes eu vou tentar, cair, levantar. Mas eu prometo, eu consigo. Por mim e por você.

When our stars are falling.   (via malifiquei)